sexta-feira, 18 de março de 2011

D. PEDRO I: O IMPERADOR GARANHÃO.


Já não é de hoje que a vida amorosa do primeiro Imperador do Brasil ganha destaque nos meios de comunicações especializados em História ou não. Já tivemos livros, revistas e até mesmo uma minissérie global divulgando digamos “a vida amorosa nada comportada” de D. Pedro I. Para vocês terem uma idéia, durante a fase adulta, nosso Imperador acumulou 18 filhos conhecidos, com duas esposas e cinco amantes. Alguns ainda afirmam que somados os filhos conhecidos e os “não conhecidos” essa conta chegaria a 120. Mas de todas as aventuras amorosas de Pedro I, sem dúvida, a mais famosa foi com a Marquesa de Santos Domitila de Castro Canto e Melo.
A aventura com a Marquesa de Santos rendeu para a História do Brasil mais de 170 cartas, algumas com conteúdos bem inusitados para quem ocupava a posição de Imperador do Brasil. Por exemplo, em algumas cartas, talvez influenciado pelo fogo da paixão (rsrs), D. Pedro I acabava se empolgando e assinava suas confissões amorosas como “O DEMONÃO” ou “FOGO FOGUINHO”. Em outras cartas, o erotismo tomava conta das linhas: “REMETO-TE O PAR DE MEIAS PRETAS, E NÃO AS CALCE SEM OUTRAS POR BAIXO”(02 de Dezembro de 1827). Nosso Imperador também gostava de citar nas cartas sua própria genitália: “TUA COISA ESTÁ SEM NOVIDADE, ESTÁ BOA, E AS ÁREAS TÊM DIMINUÍDO, E AGORA JÁ AS NÃO DEITO TÃO FINAS, E POR ISSO A URINA VEM CLARA”. No trecho da carta em questão a “tua coisa” era sua genitália e pelo conteúdo dá a impressão que, ao se relacionar sexualmente com a Marquesa, o “Pedrinho” contraía uma doença venérea. Em outra carta, chamou sua genitália de “MÁQUINA TRIFORME”. Mas também existiam cartas românticas como a enviada na data de seu aniversário: “MINHA FILHA, JÁ QUE NÃO POSSO ARRANCAR MEU CORAÇÃO PARA TE MANDAR, RECEBE ESSES DOIS CABELOS DO MEU BIGODE, QUE ARRANQUEI AGORA MESMO” (12 de Outubro de 1827).
Portanto, este post buscou abordar alguns aspectos da vida amorosa de D. Pedro I, dando destaque à sua aventura amorosa com a Marquesa de Santos, relação esta que rendeu documentos digamos singulares para a História do Brasil. Até a próxima!!!
Para a produção deste post foram consultadas como fontes a revista Aventuras Na História “1822 A Independência do Brasil” e o livro “1822” de Laurentino Gomes.

12 comentários:

  1. Aproveitei sua visitinha ao meu blog e vim retribui la! Adorei seu cantinho!
    Super beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá, Leonardo.
    Sempre por uma História crítica.
    Valeu.......

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pela visita Leandro. História crítica sempre!!!

    ResponderExcluir
  4. Existe um livro de um autor que agora não me lembro o nome, cujo título é "Cartas de D. Pedro I a Marqueza de Santos" que conta nos mínimos detalhes, todas essas histórias. Todas essas peraltices do nosso primeiro imperador foram vividas aqui no Rio de Janeiro, nas áreas do centro da cidade, nos bairros de São Cristóvão (Quinta da Boa Vista) e em Sta. Cruz (antiga Fazenda do mesmo nome). Moro bem próximo, e aqui essas histórias são bem conhecidas e lembradas por muitas pessoas. São esses pequenos detalhes que fazem o estudo da História ser bem mais interessante.
    Valeu pelo texto! Um abraço! :-)

    ResponderExcluir
  5. Prezado Professor Adinalzir, agradeço sua colaboração ao HISTÓRIA, EDUCAÇÃO, E CULTURA. Concordo com você, são os pequenos detalhes que tornam a História interessante. Até mais!!!

    ResponderExcluir
  6. Acho que todos os homens do PODER precisaram se esconder às margens de tórridos relacionamentos, para compensar o vazio que traziam no peito por conta das suas manipulações políticas...
    Mas que fique bem claro que esta é minha simples opinião.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Valeu Malu! Agradeço a visita ao HISTÓRIA, EDUCAÇÃO, E CULTURA. Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Bah, Leonardo não vi que estava no chat do Café História ontem....:)
    Desculpe-me
    Valeu..............História Neles!!!

    ResponderExcluir
  9. Muito legal essa história de amor! Atualizando a bibliografia citada, recomendo o livro que foi lançamento recentemente chamado "Titília e o Demonão", com 94 cartas inéditas descobertas por um historiador num museu novaiorquino.

    ResponderExcluir
  10. Obrigado pela visita e pela sugestão de livro. Abraços!

    ResponderExcluir