domingo, 28 de novembro de 2010

OS "FILHOS DA VIÚVA" NO GRÃO-PARÁ


Comumente apontada entre os principais eventos sociais e políticos do século XIX (Independência, Abolicionismo e República) a maçonaria tem despontado na historiografia como um importante espaço de sociabilidade e de divulgação de idéias liberais/ilustradas. De acordo com Eliane Colussi, a maçonaria poderia ser definida em termos gerais como uma espécie de associação fraternal organizada em torno de rituais e símbolos assentados em torno da questão do segredo e do aperfeiçoamento intelectual da sociedade, caracterizando-se pelas ações filantrópicas e por não orientar política e religiosamente os seus membros (COLUSSI, 1998: 24).
Reza a lenda que Hiram Abiff, filho de uma viúva da tribo de Neftali, era o mestre construtor do templo do rei Salomão e detentor de grandes talentos e virtudes. Sob a sua inspeção os operários da obra teriam sido divididos em três categorias: aprendizes, companheiros e mestres. O objetivo seria possibilitar uma espécie de promoção ao final da construção do templo, para que os companheiros mais dedicados pudessem ser elevados à categoria de mestres e assim pudessem retornar as suas respectivas pátrias em melhores condições do que antes. Aconteceu, porém, que um grupo de companheiros, que ainda não havia concluído seus estudos e tão pouco desfrutava da experiência necessária, resolveu obter a qualquer custo a “palavra sagrada” ou o “segredo” característico exclusivamente dos mestres que era então guardado por Hiram Abiff. Os companheiros assassinaram o mestre construtor, mas não conseguiram arrancar dele o conhecimento que tanto queriam. Numa perspectiva esotérica, a lenda explica a origem da maçonaria. Numa perspectiva histórica ela é apenas um dos elementos que nos ajudam a compreendê-la. Deste modo, a lenda de Hiram Abiff acaba sendo um recurso pedagógico e sociológico que pode ser entendido em seu conjunto de símbolos e alegorias ético-moralizantes que visam imiscuir valores nos membros da maçonaria através dos rituais e demais ensinamentos. Além do que, é dela que provém o termo filho da viúva então tomado como sinônimo de maçom. Outras teorias esotéricas e históricas poderiam ser enumeradas, mas fugiriam ao intuito desta pequena incursão.
De maneira geral, os maçons ou filhos da viúva se estabeleceram no Brasil no inicio do século XIX e tiveram tamanha atuação social que se tornou muito difícil referir certas conjunturas sem mencionar a atuação maçônica. Ainda segundo Colussi, os exemplos seriam muitos e perpassariam pela “independência, a abdicação de d. Pedro I, a difusão do pensamento liberal no Brasil, a questão religiosa, a luta pela separação Estado/Igreja, o abolicionismo, o movimento republicano e outros” (COLUSSI, Op. Cit.: 38). No Pará, a primeira loja foi estabelecida em 1831. Em meio a um conturbado contexto marcado pela memória recente dos acontecimentos em torno da Adesão do Pará à Independência do Brasil em 1823 – quando cerca de 256 presos políticos foram sufocados com cal no porão do navio Brigue Palhaço pelas forças legalistas de D. Pedro I –, da crescente insatisfação diante do descaso para com a região e das constantes nomeações de governos que excluíam as lideranças locais; foi estabelecida na capital paraense a loja maçônica Tolerância. Loja esta que quatro anos mais tarde seria completamente destruída pelos cabanos. E qual a razão disso? Provavelmente a relação feita entre maçonaria e elementos elitistas e estrangeiros.
Somente na década de 1950 a maçonaria paraense voltaria a se reorganizar, vindo a participar de outros eventos sociais importantes como a Questão Religiosa. Neste sentido, torna-se interessante revisitar as experiências da maçonaria na capital paraense para se ponderar a respeito das relações sociais estabelecidas pelos sujeitos ligados à instituição maçônica e aqueles que lhes faziam oposição.
FONTE:SANTOS, Alan C. S. Os filhos da viúva na região amazônica: uma pequena história da maçonaria paraense do século XIX, comunicação apresentada no II Seminário nacional de pós-graduandos em história da instituições, UNIRIO, 2009.

8 comentários:

  1. Olá Leonardo.
    Vou mostrar seu blog para minha mãe. Ela é apaixonada por história.
    Estava procurando algo referente a Getúlio Vargas. Tipo: Por que ele era tão querido pelos pobres e pelos ricos?
    Ele realmente cometeu suicídio ou foi assassinado?
    Como foi realmente o seu governo, apesar de ser um ditador? Enfim, a verdadeira história.
    Infelizmente na escola (Ensino Fundamental e Médio) nos deparamos com professores, que não tornam a matéria interessante. Vamos dar mais valor a mesma, na fase adulta, claro que com exceções.
    Achei o seu blog navegando pelo meus seguidores.
    Gostei do mesmo, porque possui conteúdo, cultura.
    Basta de futilidade. Nós merecemos cultura!
    Parabéns pelo blog.
    Abraços.
    Alessandra

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Gostei do seu blog! Voltarei para outras leituras.

    ResponderExcluir
  3. Prezada Alessandra, agradeço pelas palavras de incentivo, o que só aumenta a responsabilidade do "história, Educação, e Cultura". Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Olá Bernadete, que bom que você gostou do blog. Volte sempre que desejar. Até mais!!!

    ResponderExcluir
  5. MUITO BOM ! Adorei o seu blog ! Visite o meu blog sobre tênis e retribua o comentário ! : breakpointbrasil.blogspot.com/ - SIGA MEU BLOG E MEU TWITTER, que eu sigo o seu de volta !twitter @breakpointbr, caso queira seguir. Se puder me liste :-)

    Obrigado !

    ResponderExcluir
  6. Alguns autores dizem também que a Maçonaria teria nascido do trabalho dos construtores de catedrais medievais, que organizavam-se criando sua própria sociedade, a então Maçonaria Operativa. Estes pedreiros deslocavam-se continuamente de canteiros em canteiros (lodges), livres da autoridade das corporações, da nobreza e da Igreja, e sem compromisso de pagarem impostos. Por isto, o nome de Pedreiros Livres. Existem muitas histórias interessantes sobre a Maçonaria.
    Um grande abraço e agradeço por prestigiar sempre o meu blog!

    ResponderExcluir
  7. Fale João Victor! Pode deixar que visitarei seu blog, embora não seja um jogador de Tênis dos melhores (rsrs). Obrigado pela visita!!!

    ResponderExcluir
  8. Olá Professor Adinalzir, agradeço pela sua contribuição sempre inteligente ao "História, Educação, e Cultura". E seu blog já é leitura obrigatória para mim. Abraços.

    ResponderExcluir